Aqui há carne (II)

Esta é outra receita favorita das minhas pequenotas. Aparentemente, são várias as receitas a ocupar o pódio e a nova vencedora é “schpáguét com ursinhos de gomas” que eu, obviamente, ignoro. Mas obviamente não é dessa que vou falar. Aqui em casa, esta receita é conhecida como a sopa da Avó, mas para o caro leitor é canja. A canja. É das tais receitas que requer esforço mínimo (não tendo que matar o frango), mas tempo de preparação (mesmo não matando o frango). Ponho um frango dentro da panela de pressão, encho com água até dois terços, e tempero com um ramo de salsa, sal, pimenta, uma cebola picada, meia folha de louro e uma cenoura inteira mas descascada. Espero até a panela apitar e, depois, ponho o fogão no mínimo. Deixo cozinhar durante uma hora no total. Depois, desfaço o frango, tento cortar em pedacinhos a cenoura hiper cozida, que já serviu o seu papel – dar mais gosto ao caldo – mas que ponho na mesa para quem quiser juntar à canja. Volta o caldo à fervura, junto o frango desfeito e massinhas. É daquelas refeições que, salpicada com limão e hortelã, é só conforto e saudade.

Anúncios

Spaghetti Aglio-gatinho – ano IV

Foi no passado sábado que o Reino da Prússia comemorou 4 anos. Nada como um aniversário para fazer o balanço do ano. Mas na verdade, este ano, não há muito a “balancear”, dada a escassez de artigos. Gostava de dizer que o próximo ano é que vai ser, no ano V vou publicar frequentemente. Mas, apesar de temer que a frequência se mantenha, para manter também é a rubrica “Meatless Monday”. No entanto, hoje, apesar de ser segunda feira e porque é dia de festa, para o jantar temos esparguete com camarões, para satisfazer o desejo da princesa do meu reino no seu dia de aniversário. 

Comecei por cozer o esparguete em água fervente. Usei camarão tigre congelado, cerca de 400 gr. Fritei 5 dentes de alho em azeite e juntei os camarões já (semi-) descongelados e salsa picada por escassos minutos. Mas as tigrezas afinal de tigre não tinham nada e, assim que se viram no calor do fogão, reduziram-se a pequenos gatinhos. Só faltou o “miau”. Mas satisfez o desejo da minha princesa no seu dia de aniversário e era essa a minha intenção. Quanto à princesinha, apesar do fascínio por gatos, mordeu e cuspiu, mas o esparguete escorregou.

Lazy breakfast

Imagem

As férias estão a chegar. Asfixiada por prussianos – e, por isso, improváveis – 40ºC, sinto que o Alentejo tomou a Prússia. Fecho as persianas, abro os vidros na esperança vã de uma leve aragem e, ao fim de semana, entrego-me ao deleite de uma longa sesta – que desejo tão longa quanto durar a hora de calor. Mas, loucura das loucuras, deixo-me cair na tentação de ligar o forno para enriquecer o pequeno almoço, longo, tardio, preguiçoso. O forno lá fora já está ligado. Mais um, cá dentro, não fará diferença. Derretido por 100, derretido por 1000. Pelo prazer de bruschettas a abrir a mais importante refeição do dia. 

Comecei por cortar dois tomates em pedacinhos miudinhos e temperei com salsa e 1 dente de alho muito picado. Sal e pimenta. Por cima de pãezinhos diversos cortados a meio e temperados com um fio de azeite, dispus o tomate, e por cima uma fatia de queijo. O meu favorito: Gouda de cabra. Foi a forno quente a 180 até o queijo adquirir a consistência e cor desejada. Do forno para a mesa, brilhou num pequeno almoço de fim de semana com outros actores também de grande calibre.

(*Meatless Monday*) Intermitências…

… oferece a meteorologia ao verão prussiano. Aquele ditado português que clama o março marçagão, poder-se-ia aplicar sem exagero aqui e agora. “Verão da Prússia, na Prússia verão: um dia é Inverno e no outro … verão”. – não resisti à rima barata.

Imagem

Imagem

Esperando que amanhã seja melhor, trago hoje um prato que poderia ser de fim de verão, e que acho que nem precisa de receita, de tão simples. E é rápido, muito rápido. Frite uma cebola em azeite, junte tomate maduro, migado, e deixe fervilhar. Tempere a gosto. Junte grão cozido e adicione ovos que iram escalfar no molho de tomate apurado. Salpique com salsa e hortelã e leve à mesa quando os ovos atingirem o seu ponto ideal.

Imagem

(*Meatless Monday*) Enquanto há espargos, há primavera

Não vale a pena relembrar que este ano a Primavera chegou atrasada. E os espargos seguiram o seu exemplo. Mas mais vale tarde do que nunca e, nas últimas semanas, celebramos os espargos no seu apogeu. Brancos ou verdes, grelhados ou cozidos, com azeite e vinagre ou com bacon, são inúmeras as formas como eles nos chegam à mesa. Mas hoje é Meatless Monday, por isso reservo a receita de espargos com bacon para outra oportunidade. Quando descasco os espargos, reservo as cascas para fazer sopa.

Imagem

E esta sopa não poderia ser mais fácil: Deixei as cascas cozerem em água e sal, retirei as cascas e juntei aletria. Quando esta cozeu, esfarelei uma gema de ovo cozido e juntei salsa picada.

Sopa de pastinaca

Imagem

Nada como a sopa para combater o frio que cai nos dias. Esta sopa, com pastinaca e queijo curado dos Alpes é uma boa surpresa. É quente e suave, é doce e forte. Gostei especialmente do contraste entre o sabor forte do queijo e a doçura e suavidade da pastinaca.

Tudo ao mesmo tempo na panela de pressão: uma pastinaca grande, 1 batata, uma cebola, a parte branca do alho francês e uma mão cheia de arroz. Depois de cozido, triturar, temperar com sal e pimenta e, no prato, polvilhar com o queijo ralado, salsa picado e um fio de azeite.

Almôndegas

Ontem, acompanhei um episódio da visita da Frau Merkel a Portugal no youtube. E reparei como a senhora franzia olho e sobrolho a olhar o mar naquele dia de verão de são martinho. Será muita luz para a sua menina do olho, habituada à escuridão do inverno bárbaro.

Aqui o sol está distante e sem brilho. E está frio. E, ainda por cima, não há verão de São Martinho. A minha filha disse-me: “Oh mãe vamos dormir e só acordamos quando formos para Portugal”, e eu concordei, obviamente, estimulando ainda mais a minha vontade de hibernar. Não podendo satisfazer este meu desejo, enrolo-me no conforto do lar com mantas, chá e almôndegas.

E faço-as assim: misturo 500 gr de carne picada com cerca de 4 colheres de sopa de flocos de aveia, 1 dL de natas, (muita) salsa picada, uma cebola picada, sal e pimenta. Misturo tudo e formo bolinhas, que reservo. Faço um molho de tomate bem apurado, com cebola e mais salsa e, quando este fervilha, junto as bolinhas de carne. Deixo cozinhar muito lentamente, em lume brando, por mais de uma hora. E sirvo-as enroladas em linguini.

Abóbora no dia mundial das massas

Porque hoje é o dia mundial das massas, foi fácil decidir o que seria o jantar. Combinando os elementos da estação com o frio que faz lá fora, deixei-me inspirar por uma sugestão do meu marido. 

Cortei meia abóbora hokkaido em cubinhos, uma cebola aos pedacinhos e pus num tacho cerca de 200 gr. de bacon cortado aos pedacinhos. Deixei o bacon frigir na sua própria gordura e juntei a cebola até amolecer. Juntei os cubinhos de abóbora e alguma água onde o esparguete fervia. Deixei cozinhar até que a abóbora ficasse desfeita e juntei um ramo de salsa picada. Finalizei com duas colheres de sopa de crème fraîche. Misturei com o esparguete al dente e servi este prato de consolo de uma noite de Outono. 

todos à mesa

É um prazer podermos sentar-nos todos à mesa e comermos do mesmo tacho.Do mesmo tacho? Bem, quase. A verdade é que as crianças não querem muitos temperos e os adultos querem-nos. E eu quero temperado e bem picante! Para afirmar a ideia do tacho único, fiz hoje tomatada com batata cozida e ovos escalfados. E para colmatar o meu desejo pelo picante, fiz um pesto* bem temperado.

Piquei 5 metades de tomate seco, juntei um gole de água a ferver e outro de azeite. Seguiu-se uma colher de chá de sementes de coentros e outras duas de sumak. Piquei um ramo de salsa e três hortelãs (uma das quais, poejo) e juntei à mistura. Temperei a gosto com sal, pimenta e (muito) piripiri. Com a varinha mágica fiz “Plim!” e juntei à minha tomatada!

*adaptado de “Koch dich gluecklich”, de Volker Mehl

Frango e tomate

Quando não sei o que fazer para o almoço ou jantar, procuro inspiração nos pratos que a minha avó costuma fazer. Foi o que aconteceu numa manhã preguiçosa de verão aqui na Prússia. Deixei desfilar os seus pratos pela minha mente e parei no frango de tomatada. Logo me lembrei de uma outra tarde preguiçosa de verão, passada com dois amigos – uma joão e um joão – nos meus tempos de estudante. Acho que foi a primeira vez que cozinhei para mais que duas pessoas e com sucesso. De todas as outras vezes que cozinhava com as minhas colegas de apartamento, os comentários variavam entre: “cozeste o bife ou fritaste?” ou então: “o esparguete ainda está cru!”. Nessa altura ainda não tinha o manejo suficiente para lhes dizer que estava “al dente”, muito “al dente”, mas a verdade é que elas, apesar de caloiras, já eram verdadeiras fadas do lar!  Mas voltando à tarde de verão preguiçosa, lá estava eu com os meus dois amigos sentados à mesa da cozinha e combinámos que eu faria o almoço. Fiz o tal exercício e deixei desfilar os pratos da minha avó pela mente. Mas dessa vez, o critério de selecção foi a facilidade na confecção! Passou o frango de fricassé, rejeitado, passou o empadão de carne, rejeitado, peixe grelhado, idem, bifinhos panados, aspas. Até que veio o frango de tomatada. Este sim, seria capaz de fazer. Como o fiz na altura, já não sei. Sei que correu bem e que, pela primeira vez na minha vida, não fui eu a única a gostar dos meus cozinhados!

Nesta tarde prussiana de verão, o desfile parou no frango de tomatada quase pelas mesmas razões que parou há 15 ou 20 anos atrás, acrescentando o prazer de reviver este episódio do passado. Piquei uma cebola que deixei alourar em azeite e juntei cerca de 4 ou 5 tomates médios picados. Deixei refogar o tomate, mexendo de vez em quando. Juntei sal e, importante, um bocadinho de açúcar. Juntei 2 peitos de frango cortados aos cubinhos e deixei cozinhar durante uns 15 ou 20 minutos em lume brando. Apaguei o lume e juntei salsa picada. Servi com esparguete e chamei o meu marido e a pequerrucha para a mesa. O meu marido comeu sem palavras até limpar o prato, quando disse: “muuuito bom”, e eu fiz exactamente o mesmo. A minha filha, com lágrimas de crocodilo e a experenciar o fim do mundo, disse: “nicht tomaaaaaateeeeee! nãããão!!!!!” Até que eu lhe disse: “Come, amor, é uma receita da Avó Nena”, “Avó Nenha??”, e abriu a sua boquinha e também ela limpou o prato.