Salada para uma tarde de fim de Verão

O fim do verão aproxima-se. Setembro confere-lhe aquela luz dourada, aquela luminosidade que transforma em pura magia o fim de um dia de verão. Para celebrar o fim do verão e esquecer que a noite – ou o inverno prussiano – aí vem, absorvo os últimos raios de sol, dourados e quentinhos e faço uma salada de lentilhas. Cozo lentilhas qb, com sal e ervas (gosto de cozer as lentilhas verdes com funcho), lavo e rasgo alface e rucula, esfarelo um queijo de cabra fresco, junto as lentilhas cozidas e tempero com flor de sal, azeite e com hortelã, muitas hortelãs, desde a pimenta ao poejo.

*atenção à cocção das lentilhas, para evitar que se desfaçam: as verdes, cozo apenas 5 minutos, depois da água ferver, as beluga e as laranja deixo apenas tapadas e de molho em água a ferver, até estarem suaves.

Laranja com oregãos

Para mim, laranjas são para comer ao natural. Mas as que chegam aqui à Prússia já vêm secas e sem doce, por isso comê-las ao natural não é opção. Hoje, cortei uma aos quadradinhos e juntei à salada de valerianella. Fiz um vinagrete com azeite, vinagre balsâmico branco, flor de sal, oregãos e uma colher de chá de mel. Laranja com oregãos combina mesmo bem.

 

O peixe da prússia pouco presta para primoroso palato português

Comprar peixe aqui na Prússia é sempre um problema. Quando me aproximo das raras bancas de peixe, lembro-me sempre das lotas do Algarve e só me apetece é fugir dali. Das últimas vezes que comprei peixe, escolhi bacalhau fresco. Da primeira vez comprei filetes, que fiz no forno em cama de legumes, temperado com limão e pimenta e no fim ralei parmesão e levei mais uns minutos ao forno para tostar. Teria ficado muito bom se o peixe não soubesse a re-descongelado… Da segunda vez, comprei meio bacalhau, mas desta vez perguntei se era fresco, se já tinha sido congelado, de onde vinha e quando chegou. As respostas da senhora atrás do balcão deixaram-me uma réstia de esperança. Pensei em fazê-lo simplesmente cozido com legumes e temperado com azeite e limão. Pus o peixe a cozer e comecei a duvidar das afirmações da senhora sobre a frescura do peixe… então decidi fazer duas saladas: uma, com as batatas e cenouras cozidas, a que juntei um pepino, temperei com muitos oregãos, azeite e vinagre. Outra, com o peixe desfeito em lascas, que temperei com muito limão, um alho bem picado, poejos frescos, azeite e pimenta. A primeira salada é uma variação de uma salada muito comum no Algarve (com batatas, tomate, cebola, oregãos, azeite e vinagre), que eu simplesmente adoro, especialmente quando o tempo começa a aquecer. E a salada de peixe ficou deliciosa. A repetir, algures à beira mar. Porque descobri que peixe na prússia é douradinhos.