Convidei para jantar …

Cheguei a casa com os sacos das compras e pronta para preparar o jantar de hoje. Desta vez, tinha tudo organizado: a ementa apontada num rascunho, todos os ingredientes na bancada da cozinha e ainda bastante tempo até à hora marcada. Comecei pela sobremesa: bolo de chocolate e beterraba. Adaptei a receita da Leonor, reduzindo a quantidade de açúcar, manteiga e farinha e aumentando a quantidade de chocolate.

Bati três ovos com 125 g de açúcar amarelo até ficar uma espuma volumosa e esbranquiçada. Derreti uma barra de chocolate de 200g com  uma colher de sopa de manteiga e outra de leite. Entretanto, misturei os secos: 125 g de açúcar amarelo, 3 colheres de sopa de farinha e 50 g de cacau em pó com 50 g de chocolate em pó. Triturei 200 g de beterraba cozida e juntei aos ovos. A esta mistura, juntei o chocolate derretido e, finalmente, envolvi os secos suavemente. Distribuí a massa pela forma e, ao por o bolo em forno aquecido a 180 graus, toca a campaínha.

“Quem será?”. Pensei nem abrir a porta, mas em boa hora fui, pois foi o meu convidado que chegou. Convidei um prussiano de gema, uma mente brilhante capaz de prever o sistema capitalista que vivemos hoje, 150 anos antes. Era Karl Marx que estava à minha porta. Dei-lhe as boas vindas e recolhi o casaco pesado deste velhote de barbas brancas. Também lhe disse que não o esperava tão cedo. “Ah, já estou muito velho… e, desde que cheguei ao mundo dos mortos, que perdi um pouco a noção do tempo. Mas cheira muito bem!”.

Desliguei o forno e servi-lhe uma fatia de bolo. Perguntei se preferia acompanhar com chá ou café. Pediu-me um café forte, preto. Fiz, e arrisquei a piada fácil: “Aqui está, capaz de acordar um morto!”. Ele, riu-se. Entretanto, o meu marido perguntou-lhe como é que ele foi capaz de prever o sistema capitalista em que vivemos com tal precisão. Embrenhámo-nos na conversa e ele pergunta-nos: “E vocês, o que fazem para fugir a esse tal sistema capitalista em que vivem?”.

Ao terminar a pergunta, tocou a campaínha. Noto uma certa agitação em Marx. Ao abrir, outro senhor de barba branca. “Sigmund Freud”, apresentou-se. “Sei que o meu amigo Marx está aqui”. Assenti e convidei-o a entrar. Marx e Freud cruzaram olhares e logo Marx nos disse: “Peço desculpa… mas sabem, no mundo dos mortos pouco se passa, e quando há um acontecimento como este Convidei para Jantar, há sempre um burburinho…” Eu disse-lhe que fiquei contente com a surpresa e servi uma fatia de bolo e uma chávena de café a Freud. Ele provou e comentou sobre a consistência do bolo e logo eu, sem que ninguém me perguntasse, revelei o segredo do vegetal de vermelho vibrante, disfarçado pelo castanho do chocolate.  Logo Freud, de olhar intenso, me perguntou: “Como é que você se sentiu quando viu as suas mãos manchadas de sangue?!?!?”, ao que lhe respondi: “É, realmente, assombrante, o que nos acontece ao tocarmos na beterraba.”, “Ao tocar na beterraba?!?!”, ripostou Marx, “vocês têm a noção da pressão que vocês, consumidores, impõem aos produtores de café e chocolate para estarmos aqui e agora a apreciar este bolo e este café?!”. Dei-lhe razão e perguntei-lhe porque vivemos num sistema de mercado livre. Acho que o preço de um produto deveria reflectir o trabalho do produtor e deveria haver uma margem fixa de lucro, definida em percentagem sobre o preço efectivo de produção – para que não se caísse na tentação de diminuir o custo de produção para aumentar o lucro – e era nesta margem que entrariam as comissões dos intermediários. Acrescentei que isto era o que os políticos deveriam fazer e todos se riram com a minha ingenuidade. Pode ser que, por detrás de um pequeno político esteja um grande capitalista, mas à volta do político e do capitalista está o povo.

Assim, depois de receber o testemunho da Carla, abro a edição de Junho/Julho da iniciativa “Convidei para Jantar”, iniciada pela Ana.

Proponho-vos o tema “Mentes brilhantes” e digam-me quem vocês admiram, quem é que vocês acham que tem a centelha da genialidade.

Para participar, basta responder a este post com a vossa participação até ao dia 16 de Julho.

Anúncios

Risotto rosa

Estou a adorar explorar o dicionário dos sabores. Entusiasmei-me com o par queijo de cabra – beterraba e não descansei enquanto não fiz a receita que a autora sugere para o par.

Comecei por cortar uma beterraba em cubos pequeninos e pu-la a cozer. Num tacho, pus azeite e juntei o arroz. Deixei fritar levemente, até os bagos estarem bem envolvidos na gordura. Não quis juntar vinho, então olhei para a garrafa ao lado e fui ver o que diz o livro sobre o par beterraba e maçã. Combina bem, conforme a autora, então arrisquei um cálice de sumo de maçã em substituição do vinho. Fui mexendo enquanto e arroz bebia o sumo e depois comecei a juntar a água fervente onde a beterraba cozia. Repeti o processo até toda a água e beterraba estarem no arroz. Depois, em vez de juntar manteiga, juntei uma colher de chá de queijo creme de cabra. Envolvi bem no arroz de cor vibrante e distribui o arroz nos pratos, Espalhei por cima do arroz cubinhos de Camenbert de cabra e alguma salsa picada e devorei, gulosa, este prato cor de rosa ao som de Vinicius.

Um shot de vitaminas

O inverno consome-me. Leva-me a energia e a resistencia. E abre-me o apetite, de uma maneira voraz, especialmente para alimentos bem calóricos. Mas hoje, o apetite era de cor e vitaminas. Peguei no vermelho de uma beterraba, no laranja de 2 cenouras, no verde de um molhinho de coentros e no vermelho-verde de uma maçã. Descasquei a beterraba, confiei no selo biológico da cenoura e deixei a sua fina pele marcar presença (e a maçã, aqui em casa, não sabe o que é sair da casca, de todos os modos). Bati tudo no mixer com alguma água, pus num copo alto e rectifiquei a água. Juntei uma colherinha de açúcar, mais coentros picados e um gole de azeite para suavizar o gole. E saborei este arco-iris de cores avistando da janela a paisagem branca, monocromática.