Comboio nocturno de Lisboa

Era uma noite cálida de Outubro. Estava na Gare do Oriente, em Lisboa, à espera do comboio e à espera da resposta à pergunta a queimar a garganta. “Será que este é o meu comboio?”, “claro”, respondi-me imediatamente, “a decisão certa é aquela que se toma” relembrando um provérbio oriental. Deixei-me dominar pelo misto de excitação, felicidade  e nervoso miudinho que me invadiu. Nas duas malas,  a meu lado na Gare, tinha empacotado a minha saudade. Tudo o que não coube na bagagem, reduzi a pó. Às onze badaladas, despedi-me dos três amigos, que são família e amigos, amigos e família e parti.  Já no comboio, pensei que mais uma vez ia mudar a terra sob os meus pés. Olhando pela janela, disse a mim própria que mudava a terra, mas não mudava o céu, ao reconhecer uma ou outra constelação na noite escura. Cheguei a Madrid, onde tomei o pequeno almoço, continuei até Paris, almocei, e cheguei a Berlim para o jantar. Para o jantar, para uma vida, para várias vidas.

Vinte e tal anos depois, estava na hora de voltar a apanhar o comboio. Numa noite de Dezembro, quando um vendaval rodopiava nas janelas, pus um tacho ao lume com um litro de água, 5 cravos da Índia, 5 vagens de cardamomo, 1 pau de canela, um pedaço (1 cm) de gengibre  e 5 bagos de pimenta preta. Fervilharam no tacho durante 25 minutos.

“Amor”, chamei, “contas-me outra vez aquela tua história com o Guru no Nepal?”, “Outra vez?!?! … bom, está bem. Já lá vão 35 ou 40 anos, não sei. Cheguei à aldeia e dirigi-me a um grupo de pessoas. Estavam todos à espera que o Guru saísse da sua gruta, para ouvirem as suas palavras sábias. Fiquei também à espera. Finalmente saiu. O eremita, com dreadlocks que lhe chegavam ao rabo, estava totalmente besuntado com cinzas de excremento de vaca. É, parece estranho, não é? Mas para os Hindus, o fogo é sagrado e as vacas são sagradas. E excrementos de vaca queimados são super sagrados!” Tive que voltar a rir com a sua frase e pedi-lhe que continuasse. “Passou um cachimbo, que foi de mão em mão pelos elementos do grupo e começou a falar. Eu não percebi uma palavra, mas fiquei totalmente magnetizado, hipnotizado pelas suas palavras, pela sua expressão. Não sei quanto tempo passou, mas sei que ardia em sede, precisava de beber algo. Felizmente, passou pelo grupo também um chá, que eu bebi de uma assentada, sem perguntar antes que chá era. Pois bem, descobri da pior maneira que era um chá de chili super forte, que me deixou com as goelas a arder!”

E eu voltei ao meu chá. Desliguei o lume, juntei uma saqueta de chá preto e deixei em infusão durante 2 ou 3 minutos. Verti algum chá na minha chávena e fui buscar uma cervejinha gelada para o meu marido. Pedi-lhe que se sentasse no sofá vermelho, que precisava de lhe falar. “Temos que fazer as malas”, disse-lhe, “o tal comboio que um dia partiu de Lisboa, está quase a partir, agora de Berlim.”, “O que devo pôr na mala?”, perguntou, “O mesmo que puseste quando foste ver o Eremita. O comboio nocturno leva-nos até S. Petersburg, daí apanhamos o transiberiano para sul e depois, ainda não sei como, vamos às montanhas do Nepal, a templos no Tibete e seguimos para Varanasi. E depois… ” A gargalhada do meu marido interrompeu-me: “Ahahahah! Acho que o teu comboio nocturno para o transiberiano é um avião para Katmandu!” Eu ri-me com ele e dei um gole no meu chá Yogi, deixando  envolver-me no leve e agradável picante da pimenta e do gengibre. Já lá estávamos…

Assim participo no desafio chocolate e picante que a Suzana lançou – enquanto trinco um quadradinho de chocolate a 80%. Esta é uma estória verídica. Se algo ainda não aconteceu, é porque vai acontecer!

14 thoughts on “Comboio nocturno de Lisboa

  1. O que eu gostei da frase “excrementos de vaca queimados são super sagrados” ha ha De mapa e mente aberta é muito fácil viajar, ainda por cima com um chá nas mãos 😉

  2. Querida Sofia
    Um estória mágica e uma bebida reconfortante.
    Também quero ir nesse comboio e se este mês passares na Gare do Oriente quero ir ao teu encontro.
    Aqui onde estou faz muito frio, só penso em voltar para a terra do Sol 🙂
    Um beijo

    • Ola Helena
      Este mês não passo na Gare, mas na Primavera passarei, para mostrar às minhas filhas o rio e o castelo. Nessa altura, se estiveres deste lado do Oceano, quero também encontrar-te!
      beijinhos
      Sofia

  3. Sofia querida,

    Quando as palavras nos levam ao outro lado do mundo e ao mais profundo de nós mesmos é porque são palavras sagradas. Se a elas juntarmos uma cornucópia de sabores e vontades, não há coisa melhor. Obrigada pela viagem! E claro, se o teu comboio passar na minha estação (e eu tenho muitas) é favor apitar. 😉

    Um beijo e muitas saudades*

    • Na verdade, este é um sonho antigo, que materializei agora em palavras e que hei-de materializar em actos quando as crianças forem mais independentes!
      E quando o meu comboio parar numa das tuas paragens, lá para a primavera, lá estarei eu a apitar! 😉
      beijo grande
      Sofia

  4. Princesa da Prússia,
    Senti-me comover com a tua estória agridoce…
    Deixa-me ver se adivinho os ingredientes da receita:
    Muito amor; sensibilidade q.b; uma pitada de gosto pela aventura; Uma boa porção de ânsia de liberdade e tudo isto envolvido por um ingrediente bem Português…. Aquela Saudade boa que fervilha em lume brando e faz crescer a espuma do prazer de um dia voltar…
    Beijinhos e parabéns pela inspiração

    • Olá Tia,
      Que comentario tão inspirado! Os sonhos, mesmo que se adiem, nunca morrem – é como dizes, fervilham em lume brando!
      beijinhos de saudade
      Sofia

  5. Ainda me lembro do combo partir da Gare Oriente e da musica q tocou na aparelhagem q ficou, no dia seguinte pela manha! Curioso ee q ouvi hoje essa musica, desse mesmo CD que me deixaste e q ainda levo comigo todos os dias, no meu carro! Tanto tempo depois d ter feito a mesma viagem e tambem com os olhos nas ainda mesmas Estrelas! Talvez daqui a 20 anos apanhemos o mesmo comboio, mas de volta aa Gare do Oriente! Bjnhs

    • :), Talvez! mas entretanto haveremos de apanhar muitos outros comboios para nos voltarmos a encontrar, agora a oito, em vez de ser a duas ou quatro!
      beijinhos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s