Pão de cabeça algarvio

Sempre que quero falar sobre pão, fico presa na incomensurável distância que está entre a ponta da caneta e a folha branca. Talvez por ser algo tão sagrado, tão visceral e também transversal a todos os povos.

O que é o pão, afinal? Pão é milagre. Pão é partilha. Pão é amizade.

Por ser tudo isto, nada melhor que viajar no espaço e no tempo e reaprender a fazer o pão em comunidade. Isto para combater a banalização que poderá advir da industrialização de alimento tão precioso.

“Dizia a avó da tua avó que na madrugada de S. João, antes do sol nascer, a primeira água que tirava da cisterna usava para amassar o pão, que não levava fermento. E crescia na mesma!” Pão é milagre.

Tudo começou no dia anterior. Era preciso fazer o fermento, com a lêveda, farinha e água morna. No dia seguinte, um dia de céu azul vibrante , puseram-se mantas e um alguidar de barro ao sol. E, debaixo do alguidar, algumas brasas.

Já com o fermento crescido, é preciso amassar o pão.

“Que Deus te acrescente que é para dar para muita gente!”

“Cresce o pão em massa e a nossa senhora em graça.”

São as rezas a dizer depois de amassar o pão. Manda a tradição fazer uma cruz na massa e nela espetar cinco dedos. Fica a massa a levedar e, quando não se vir a cruz nem a marca dos dedos, está a massa levedada.

Enquanto a massa cresce, há tempo para muita conversa, bons petiscos e peixe a saber a mar. Pão é partilha.

Depois da massa ter crescido, é preciso tratar do forno. Apanhar a lenha, quebrá-la e atiçar o fogo ficou a cargo do Sr. do Forno.

Formam-se bolas com a massa, que ficam a fintar num tabuleiro entre as pregas de um tendal enquanto o forno arde. Fazem-se pães de torresmo, gulosos, fazem-se pães com chouriço. Fazem-se costas, com azeite, açúcar e erva doce. E fazem-se “ésses”.

As barbas do forno estão brancas, sinal de que já está quente. Agora é preciso esbraseá-lo, ou espalhar as brasas pelo solo forno e deixá-lo aquecer. Puxam-se as brasas para a porta do forno com um rodo e, em seguida, limpa-se o forno com tocas embebidas em água. A vizinha deita alguma farinha no forno.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Agora o forno está pronto para receber o pão. “Cresce o pão no forno e as almas na glória”.

Juntos em volta do forno, é hora de partilharmos o pão ainda quente. Pão é amizade.

About these ads

16 thoughts on “Pão de cabeça algarvio

  1. Sofia
    Adorava ter partilhado da vossa companhia e da sabedoria de quem é mestre nessa arte. Tenho esperança que me esclareças algumas duvidas :)
    Adorei a publicação.
    Um beijo

    • Obrigada Helena.
      tb. sentimos a tua falta. Provavelmente não saberei esclarecer as tuas dúvidas, mas serei tua intermediária com prazer e passá-las-ei às mestres do pão. Elas saberão responder-te, concerteza!
      Um grande beijinho deste lado do oceano.
      Sofia

  2. Já estou com fome e ainda há pouco jantei! Adoro pão quente, e cozido no forno a lenha ainda melhor! Que saudades da broa de milho da minha avó, acabada de cozer!
    Já agora, parabéns pelo novo look do blog! Confesso que há algum tempo que cá não vinha, mas adoro o novo look. E vou continuar cliente assídua, como até agora! Beijinhos grandes de Portugal!

    • Helena,
      Obrigada pelo simpático comentário. Realmente, pão acabadinho de sair do forno é algo a que não se pode (nem deve) resistir!
      Fico contente que o novo look seja do teu agrado.
      Beijinhos
      Sofia

  3. O que eu gostava de ter estado convosco :)
    Fica para uma próxima, a minha mãe só saiu do hospital na quarta feira passada, felizmente está melhor, mas foi muito stressante.
    Bj

  4. Sofia,
    A primeira vez que vi fazer pão a sério tb foi no Algarve, perdidos algures na Serra, uma senhora a fazer o mesmo que fez toda a vida, e a minha mãe de máquina fotográfica em punho e a tomar notas. Devemos ter parecido uns doidinhos:)
    A tua nova casa está linda, já por cá tinha passado mas esqueci-me de te dizer.
    Bjs e bom fim de semana

  5. Que pena de não ter estado convosco neste dia tão bem passado. Para a próxima espero não faltar.
    Um beijinho grande

  6. Parabéns por este excelente artigo àcerca do Pão! Não imaginas como me soube bem lê-lo! Tão real! Vieste a Portugal por estes dias?…
    Das coisas que mais gosto é do aroma e do sabor do pão acabado de fazer!Na minha aldeia da Beira ainda há Forno Comunitário mas já só funciona nos dias de festa. Mas ainda há algumas pessoas a cozer pão e broa de milho que são uma delícia.
    Não conhecia a designação de Pão de Cabeça, mas realmente, pela forma até faz lembrar uma!
    Bjs. Bombom

    • Querida Bombom,
      A designação vem mesmo da forma e é o pão típico algarvio. Realmente, o pão acabado de fazer é algo mágico!
      É verdade, vim a Portugal por uns dias, matar as saudades!
      Beijinhos
      Sofia

  7. Foi um dia com o conforto que dá o cheiro a pão quente. Saí de barriga cheia das estórias boas que se escrevem nesse tempo perdido entre laranjeiras e pão quente. Obrigada pelo dia feliz! :)
    Bj grande.

  8. Primeira vez que por aqui passo. Adorei a publicação. Cá em casa só podemos comer pão sem glúten. Tenho pão a cozer no forno. Tentei moldar o pão com cabeça mas, não saiu bem .Andava á procura de ajuda e acabei nesta página. Parabéns.

Deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s